SINPRAFARMAS

Sindicato dos Práticos de Farmácia e dos Empregados no Comércio de Drogas, Medicamentos e Produtos Farmacêuticos de Santos e Região

Entre Nós

Jaime Porto

Presidente Sinprafarmas BS

VAGAS EXISTEM... FALTA QUALIFICAÇÃO

Mesmo em período de desemprego, sobram vagas de trabalho no campo da Tecnologia da Informação. Enquanto muitos setores da economia estão mandando trabalhadores embora, na área de tecnologia falta gente para ocupar as vagas oferecidas. Segundo um levantamento feito por um grande site de procura de empregos, a oferta de trabalhos no setor só cresce.

As oportunidades são para quem fez curso superior na área, como o de ciências da computação, por exemplo, mas também para quem fez cursos técnicos na área de tecnologia da informação.

O grande desafio de se especializar e buscar um emprego neste ramo atinge principalmente aqueles que já estão no mercado de trabalho, pois é difícil conseguir tempo e dinheiro para investir em um curso de graduação. Uma boa opção neste caso são os cursos on-line. Eles têm um custo menor do que os cursos presenciais e podem ser realizados durante o tempo livre do aluno ao longo do dia. Além disso, é uma modalidade que vem se modernizando e tornando o aprendizado mais leve e interativo para aqueles que desejam criar sua própria rotina.

Assim vivemos um momento "sui generis". São as vagas que esperam por um trabalhador, pois, as empresas exigem experiência comprovada e não têm tempo para treinar alguém em função da competitividade atual. Este é um dos fatores que nos leva à crise da empregabilidade! E que novo palavrão é este? Resumidamente é a falta de qualificação profissional dentro do mercado de trabalho; o analfabestimo profissional daqueles que buscam uma colocação.

Neste momento falta ao país a vontade política necessária para reverter esse quadro, pois  o Brasil dispõe de considerável capacidade instalada de educação profissional: os " 4 S " (Senai, Senac, Senar e Senat ), as ONGs, as universidades, empresas,  sindicatos,  escolas técnicas e o próprio setor privado independente, mas falta articulação entre essas instituições e uma política nacional de educação, trabalho e distribuição de renda.

 

Já passou da hora do governo fazer sua lição de casa!